Olhar tático | Cacá: zagueiro para o futuro

Foto: Gustavo Aleixo/Cruzeiro

Por Pedro Bueno

É evidente que os cruzeirenses querem que Cacá fique por um bom tempo. Mas talvez o zagueiro de 21 anos seja o jogador que tenha maior potencial de venda dentro do elenco de um time que necessita de dinheiro. Cacá é um defensor moderno, que sabe jogar, tem força física, bom na bola aérea e ainda é rápido. É um zagueiro que tem as características ideais para atuar na Europa. 

Em 37 jogos com a camisa azul celeste, Cacá conquistou o coração da torcida. Com raça, bom desempenho e amor à camisa, o atleta se consolidou como titular na defesa cruzeirense ao lado do experiente Léo. A escolha de Cacá por continuar no Cruzeiro, mesmo com o rebaixamento e possibilidade de transferência, fez com que ele ganhasse ainda mais carinho da torcida. 

Nascido em Visconde do Rio Branco, cidade localizada na Zona da Mata Mineira, o jovem jogador está no Cruzeiro desde 2014 e estreou no profissional em 2018, frente o Vasco. Na Série A de 2019, Cacá foi escolhido para suprir a vaga do badalado Dedé e não decepcionou. Mesmo com o time em crise, a defesa era o ponto forte da equipe. 

Neste ano, Cacá foi sondado por diversos times, visto o seu enorme talento. Antes da pandemia, o Cruzeiro recebeu uma proposta de 2 milhões de euros do Athletico-PR e de 4 milhões de euros do CSKA Moscou, referente aos 60% dos direitos do jogador que pertence ao time mineiro. Porém com a pandemia, a crise agravou para todos e o negócio com o time russo não prosseguiu.

O jogador já deixou claro que almeja se tornar ídolo da torcida cruzeirense, sempre irá respeitar bastante o time e só sairá quando houver uma proposta muito boa para ele e para a equipe, já que Cacá e todos os torcedores entendem a crise financeira que o Cruzeiro está.

Cacá, na parte técnica e tática, é de um nível muito acima dos adversários da Série B. O jogador tem apenas 21 anos, todavia apresenta uma leitura de jogo impressionante, com excelentes interceptações e boas coberturas. 

Cada dia Cacá se torna ainda mais importante para o setor defensivo cruzeirense. No último ano, o zagueiro fez 20 partidas, algumas ao lado de Fabrício Bruno e boa parte ao lado de Léo. Dessa forma, Léo jogava pela esquerda e Cacá pela direita.

Neste ano, Enderson inverteu os dois zagueiros. O veterano Léo está lento e tem maiores dificuldades com coberturas, problema normal e esperado pelos seus 32 anos. Por causa disso e de problemas na ala esquerda, Cacá foi remanejado para a esquerda. 

O ponto fraco do Cruzeiro nesta temporada é, sem dúvida, a lateral esquerda. João Lucas, Giovanni e Patrick Brey já atuaram, mas nenhum consegue fazer com qualidade a ala. Os laterais jogam praticamente como um meia esquerda e não conseguem recompor da forma ideal. Por isso Cacá tem a função de fazer a cobertura.

Esse posicionamento do talentoso zagueiro cruzeirense é facilmente notado na saída de bola do Cruzeiro. Raúl Cáceres, lateral direito mais defensivo, Léo e Cacá ficam em linha. Raúl faz o lado direito, Léo praticamente centraliza e Cacá fica bem na esquerda. A função dele, além da cobertura, é iniciar as jogadas deste lado e trocar passes com Ariel Cabral, volante pela esquerda.

Em alguns momentos, Cacá arrisca lançamentos, tentando buscar companheiros melhores colocados. A distância do zagueiro para o lateral esquerdo força Cacá a jogar mais com a bola no pé e se virar em situações que está 1 contra 1 com o atacante adversário.

Por causa dessas adversidades, Cacá cada dia se destaca mais na defesa cruzeirense. Como um zagueiro que atende todos os requisitos de um zagueiro moderno, ele está pronto para alçar voos maiores.

Além disso, Cacá é excelente na bola aérea. Se destaca na defesa, ao cortar diversos cruzamentos e ainda está em boa fase no ataque. Após a volta do futebol, o zagueiro fez dois gols de cabeça, recebendo assistência do companheiro de defesa Raúl Cáceres nos dois lances.

Se a parceria com Léo for até o final da Série B, com certeza Cruzeiro terá uma das melhores defesas da competição e, consequentemente, voltará à Série A do Brasileirão. A segurança com estes dois zagueiros e com o ídolo Fábio no gol é enorme e alavancará o gigante mineiro. 

A notícia ruim para a torcida é que esta temporada pode ser a última de Cacá pelo Cruzeiro. Com o alto rendimento esperado e a crise financeira cruzeirense, a equipe deve receber boas propostas pelo defensor destaque. 

Como exemplo de zagueiro de 21 anos que saiu do Brasil, pode ser citado Bruno Fuchs, contemporâneo de Cacá, que estava se destacando ao lado de Cuesta no Internacional. O atleta está sendo negociado com CSKA, time que buscou Cacá no início do ano. A negociação gira em torno de 8 milhões de euros por 50% dos direitos do atleta e deve ser concretizada nos próximos dias.

Se um valor semelhante a esse chegar ao Cruzeiro, nos próximos meses, será muito complicado segurar Cacá. Além de ser um valor excelente, a possibilidade de jogar na Europa faria muito bem ao zagueiro mineiro. 

Uma joia está nas mãos do Cruzeiro. Um zagueiro inteligente, forte e rápido. Combinação rara e perfeita para venda. Enquanto Cacá está por aqui, o Cruzeiro terá muita confiança na sua defesa. O jogador tem muito potencial. Aproveite torcedor e acompanhe o desenvolvimento deste atleta que honra a camisa azul celeste.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Comentários