Após vitória dramática, Galo dá “folha em branco” a Sampaoli

Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press

Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press

Vencer o clássico com um golaço nos acréscimos foi uma catarse para o torcedor do Atlético que fez uma bela festa no Mineirão, no primeiro clássico como mandante desde a reabertura do estádio após a última grande reforma.

Os gols de Igor Rabello e Otero, no entanto, foram mais bonitos que a atuação alvinegra. Em vários momentos, mesmo com melhores individualidades, o Galo não foi capaz de se impor como a diferença técnica sugeria.

Jorge Sampaoli, nos camarotes do Mineirão, fazia anotações e trocava constantemente impressões com seus colaboradores. Deve ter percebido que herda praticamente uma folha em branco para seu início de trabalho. Há muito o que construir.

O resultado, ao menos, diminui um pouco da pressão na briga por uma vaga nas semifinais, em um campeonato cuja missão do Atlético será considerada incompleta com qualquer desfecho que não seja o título.

O Cruzeiro deve sair com um sabor agridoce, de quem sente que poderia ter até vencido e teve uma reação de orgulho no segundo tempo, superando as limitações para criar oportunidades e responder em um cenário desfavorável.

Cabe a Adílson Batista, agora, construir em cima das melhores impressões que o time transmitiu. É preciso organizar melhor as ideias e se impor quando a relação de forças assim permitir.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Comentários