Um novo Galo no campo e no mercado?

Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press

Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press

E todo dia um nome novo é ligado ao Atlético. Savarino, Soteldo e Tardelli não saem da boca do atleticano. É sabido que o time tem carências e o esperado é que chegue um ou outro reforço. O clube, acertadamente, não fala sobre negociações e talvez até nem saiba de outros tantos nomes especulados.

As contratações foram boas e o treinador tem mostrado o desejo de avaliar elenco. Algumas oportunidades já surgiram e outras tantas devem alcançar mais jovens jogadores.

O diagnóstico já de alguns anos apontava para a necessidade de renovar o grupo de jogadores. O exaustivo calendário exige a preservação de jogadores mais experientes.

É tanto nome e tanta notícia que se torna necessário que alguém banque o chato. O papel, que pode parecer desagradável, é sempre necessário. O orçamento aprovado em dezembro pelo Conselho Deliberativo previa R$ 20 milhões de investimento em reforços. Dezembro foi logo ali. Ou a reunião serviu apenas para constar ou alguma coisa mudou muito rapidamente. E vale lembrar também que toda a plataforma política do presidente Sérgio Sette Câmara foi baseada na redução da dívida atleticana.

Que venham reforços, que o estádio seja construído e que o clube reencontre o caminho das conquistas, mas que tudo seja feito com sabedoria e sem o comprometimento da já delicada saúde financeira do clube. Não é só contratar, é preciso pagar os salários também.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Categorias:
Futebol Nacional

Comentários