Klopp, o técnico do Midaspool

Glyn Kirk/AFP

Glyn Kirk/AFP

O livro tem 368 páginas e não precisa ir muito longe para perceber alguns traços de seu personagem principal. Desde os primeiros passos como jogador mediano, passando para o primeiro desafio como técnico até chegar ao momento de levantar taças, o alemão Jürgen Klopp se mostra um personagem dos mais interessantes.

Campeão da Europa e recentemente também campeão do mundo, Klopp, técnico do Liverpool, está escrevendo uma história incrível e a atual temporada é uma declaração de amor ao jogo, ao seu modo de compreender o futebol e de concentração.

Não é mistério para ninguém que a Premier League é um campeonato tradicional, milionário, altamente técnico e competitivo. Apenas para destacar um pouco mais o momento da competição, vale lembrar que as duas principais competições europeias foram decididas entre Liverpool e Tottenham, Liga dos Campeões, e Chelsea e Arsenal, Liga Europa.

A temporada 2019/20, que termina no meio do ano, mostra um Liverpool com 19 pontos de vantagem para o segundo colocado, o Manchester City de Guardiola. Já são 41 jogos de invencibilidade na principal competição do país. Foram disputados 72 pontos e o Liverpool conquistou 70! Se somarmos os pontos ainda da temporada passada, veremos que 94 de 96 foram conquistados.

O atual campeão da Liga dos Campeões não perde uma única partida de mata-mata de competição internacional desde a temporada 2015/16, quando perdeu a final (jogo único) para o Sevilla.

Mesmo com toda a pressão nos ombros de quem não conquista um título do Inglês desde 1990, o time de Klopp continua batendo adversários e novos adversários. Após a vitória sobre o West Ham na última quarta, o torcedor do Liverpool já pode bater no peito e dizer que ganhou de todos os times que disputam a mesma competição. No entanto, após tanto tempo sem levantar a taça, Klopp e seus jogadores ainda pregam a seriedade e a cautela. Sim, alguns jogos não foram tão bem jogados e algumas vitórias vieram no sufoco, mas alguém achou que seria diferente?

Um olhar mais atento para o elenco apenas realça o traço de Midas do treinador. Klopp transformou o antes questionável Salah em duas vezes melhor jogador africano e duas vezes artilheiro da Premier League. Salah só perdeu o trono de melhor da África para o seu companheiro de clube, o senegalês Sadio Mané, que também foi artilheiro da PL passada.

Klopp observou o lateral rebaixado há duas temporadas pelo Hull City e transformou Robertson em melhor lateral esquerdo da Inglaterra e capitão da seleção da Escócia. Arnold, o lateral da direita, é considerado o melhor do mundo e é formado em casa, sob o olhar atento de seu treinador. Parece mesmo que ele faz os caras virarem ouro.

Não são poucos os jogadores que mudaram com ele e as ideias dele têm mudado o futebol. O livro, publicado pela Editora Grande Área e citado lá em cima, é Klopp – o técnico heavy metal que transformou Borussia Dortmund e Liverpool FC – e está mudando o panorama do futebol na Europa, merece ser devorado e não sair da cabeceira de quem vive e respira o futebol.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.