Dá para contar com Fred e Ricardo Oliveira?

Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press

Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press

Fred e Ricardo Oliveira foram, durante muito tempo, quase que as expressões máximas no Brasil de uma posição/função no futebol. Os dois fizeram a alegria de suas torcidas, foram titulares da seleção brasileira e levantaram taças, mas, já há algum tempo, os dois não conseguem mais repetir os feitos de um passado não tão distante assim.

Os dois ainda podem ganhar jogos e talvez até títulos, entretanto, a temporada passada deu alguns sinais bem claros de que algo precisa ser diferente. A reserva, que nunca foi possibilidade ventilada nos bons tempos dos dois, acabou se tornando um caminho natural ou desejável para o melhor rendimento de seus times.

É claro que os estaduais, por causa do nível técnico mais baixo, ainda podem servir para recuperar a confiança e ganhar uns joguinhos. No entanto, em alto nível de competição, a tendência é que a utilização de Fred e Ricardo Oliveira fique ainda mais restrita. A não ser que seus treinadores criem soluções bastante diferentes.

O pior é que não é de hoje que os artilheiros têm mostrado uma involução, se, nem tanto nos números, no bom funcionamento de suas equipes. Ainda assim, após bons jogos e alicerçados na imagem construída no passado, Cruzeiro e Atlético gastaram o que tinham e não tinham com eles.

Já não dá mais para permitir a falta de planejamento e de zelo dos clubes. Valorizar a bela história que os dois contaram em campo por muitos anos é uma coisa, mas erro maior é não ter um reserva que pudesse jogar mais vezes e preservar os atacantes principais.

Todo respeito possível aos dois que muito fizeram, mas depositar muitas fichas em Fred e Ricardo Oliveira já não é mais sinônimo de sucesso garantido. Talvez, infelizmente, estejamos vendo o natural processo de ocaso de dois grandes jogadores.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Categorias:
Futebol Nacional

Comentários