O que Dudamel falou nas entrelinhas

Ramon Lisboa/EM

Ramon Lisboa/EM

Foi apenas um primeiro papo, uma apresentação. Dudamel chegou e foi logo mostrando a óbvia dificuldade do idioma. Entre uma e outra resposta, o treinador venezuelano deixou claro alguns pontos.

Não que o tom tenha sido bravo, mas estava estampada na testa dele a seriedade. Talvez até mesmo por causa de um primeiro contato. No entanto, ele sabe que a primeira impressão não necessariamente é a que fica, mas ajuda a formar uma imagem mais séria e menos paternalista.

Ao citar nominalmente vários jogadores, Dudamel mostra que tem o mínimo necessário de conhecimento do elenco. Salientando a necessidade de competição interna, chegando mesmo a dizer que o jogador tem que se questionar sempre que ficar de fora do time, o treinador passa – pelo menos aos torcedores – uma esperança a mais. Uma queixa antiga que vinha das arquibancadas, a de falta de empenho e concentração em alguns jogos, deve ser atacada pelo novo técnico.

Um traço forte nas primeiras palavras de Dudamel foi a disciplina. É, na velocidade do futebol de hoje, muito difícil uma equipe ser campeã de qualquer coisa se não houver entrega física e mental no trabalho. Comprometimento, profissionalismo.

Francisco Maturana foi citado por Dudamel como uma de suas influências. Pacho Maturana é uma pessoa de muito bom trânsito no futebol mundial. Tido como dos grandes conhecedores do jogo, ele campeão da Copa América e da Libertadores – além de títulos colombianos. Francisco Maturana nunca foi técnico de Dudamel, mas foi consultor e auxiliar do atual treinador do Galo durante a Copa América. Uma forte característica do trabalho de Maturana é o apreço pelo trabalho com jovens jogadores e o descobrimento de talentos. Será que Dudamel vai seguir os caminhos do mestre? A ideia parece ser mais ou menos a mesma.

Em recente entrevista ao jornalista Marcos Paulo Lima, do Correio Braziliense, Francisco Maturana disse sobre o projeto apresentado pelo Galo ao treinador Rafael Dudamel: “É um desafio muito atraente. Que Deus ilumine a caminhada dele. O que posso garantir é que enviarei a minha energia positiva a ele onde quer que esteja”.

Para um primeiro momento, a ênfase deve ser mesmo a de um trabalho duro, com disciplina, moderno no que diz respeito ao plano de jogo e competitivo. Resta saber como serão os próximos passos, qual elenco Dudamel poderá contar e qual será a assimilação dos jogadores ao modo de trabalho proposto. A primeira impressão é boa. Bastante positiva.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Comentários