O que Dudamel falou nas entrelinhas

Ramon Lisboa/EM

Ramon Lisboa/EM

Foi apenas um primeiro papo, uma apresentação. Dudamel chegou e foi logo mostrando a óbvia dificuldade do idioma. Entre uma e outra resposta, o treinador venezuelano deixou claro alguns pontos.

Não que o tom tenha sido bravo, mas estava estampada na testa dele a seriedade. Talvez até mesmo por causa de um primeiro contato. No entanto, ele sabe que a primeira impressão não necessariamente é a que fica, mas ajuda a formar uma imagem mais séria e menos paternalista.

Ao citar nominalmente vários jogadores, Dudamel mostra que tem o mínimo necessário de conhecimento do elenco. Salientando a necessidade de competição interna, chegando mesmo a dizer que o jogador tem que se questionar sempre que ficar de fora do time, o treinador passa – pelo menos aos torcedores – uma esperança a mais. Uma queixa antiga que vinha das arquibancadas, a de falta de empenho e concentração em alguns jogos, deve ser atacada pelo novo técnico.

Um traço forte nas primeiras palavras de Dudamel foi a disciplina. É, na velocidade do futebol de hoje, muito difícil uma equipe ser campeã de qualquer coisa se não houver entrega física e mental no trabalho. Comprometimento, profissionalismo.

Francisco Maturana foi citado por Dudamel como uma de suas influências. Pacho Maturana é uma pessoa de muito bom trânsito no futebol mundial. Tido como dos grandes conhecedores do jogo, ele campeão da Copa América e da Libertadores – além de títulos colombianos. Francisco Maturana nunca foi técnico de Dudamel, mas foi consultor e auxiliar do atual treinador do Galo durante a Copa América. Uma forte característica do trabalho de Maturana é o apreço pelo trabalho com jovens jogadores e o descobrimento de talentos. Será que Dudamel vai seguir os caminhos do mestre? A ideia parece ser mais ou menos a mesma.

Em recente entrevista ao jornalista Marcos Paulo Lima, do Correio Braziliense, Francisco Maturana disse sobre o projeto apresentado pelo Galo ao treinador Rafael Dudamel: “É um desafio muito atraente. Que Deus ilumine a caminhada dele. O que posso garantir é que enviarei a minha energia positiva a ele onde quer que esteja”.

Para um primeiro momento, a ênfase deve ser mesmo a de um trabalho duro, com disciplina, moderno no que diz respeito ao plano de jogo e competitivo. Resta saber como serão os próximos passos, qual elenco Dudamel poderá contar e qual será a assimilação dos jogadores ao modo de trabalho proposto. A primeira impressão é boa. Bastante positiva.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Comentários

Subscribe
Notify of
guest
10 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Diego F

Tive a mesma impressão, Marra. Chega de cara paternalista, e, o mais importante: CHEGA DE CARAS QUE TEM CONCHAVOS COM JOGADORES. Acho isso muito importante, hoje os técnicos tem vínculos com atletas. Pelo menos é o que se dá a entender. O Mancini por exemplo, tinha reportagem a respeito da sua índole profissional. Difícil ser probo no futebol, acredito que um técnico de fora pode estar mais “descontaminado”.

Celso Tavares

Seila acho que vamos ficar mais 100 anos sem ganhar nada, ele me pareceu meio inseguro e arrependido.

Gustavo Melo

Celso enfrentar o poder financeiro de Flamengo e Palmeiras é complicado, vaga na Libertadores, disputar títulos da Copa BR e Sula já seria um ótimo início de trabalho.

João Carlos Meireles

Mary detected!!!

Andre Duval

Intruso vindo da série b detectado.

Ca”B“Uloso 2020

Bem vindo aos comentários do representante mineiro na série A.

Rogèrio Camilo

ENTÂO FIQUE 100 ANOS COMENTANDO SOBRE SEU TIME ,REBAIXADO,ENDIVIDADO,INVESTIGADO,EXECRADO E ENGRAÇADO!

Marcia Nunes

Muito bom ver Marra e Bertozzi por aqui, em MG está difícil ter colunas como essa, parabéns !! Galo não tem time e nem terá pra fazer frente a Flamengo, Grêmio, Palmeiras esse ano, mas que seja uma reconstrução e que se recupere a dignidade e um futebol competitivo.

João Macedo

Acho que a principal mensagem nas entrelinhas vc não citou, Marra: vai ser um projeto de pouco investimento, lutando pra conseguir uma vaga na Libertadores e olhe lá. Dentro do plano da atual diretoria (sanar dívidas e apostar tudo na renda que virá com o estádio), infelizmente não consigo imaginar que o Dudamel termina o ano no GALO, haja vista a cobrança natural da torcida e a tradição brasileira de colocar tudo na conta do treinador.