Apertou o cinto! Futebol chinês terá teto salarial e limite de gastos

Reprodução Twitter

Reprodução Twitter

A farra de gastos no futebol chinês pode estar com os dias contados. Nesta quinta-feira, a federação do país anunciou uma série de medidas para limitar o investimento dos clubes e reduzir os riscos de um colapso no sistema.

A partir da temporada 2020, jogadores que chegarem do exterior poderão ter um salário anual de no máximo 3 milhões de euros (R$ 13,5 milhões), descontando impostos. Para jogadores locais, o limite será de 10 milhões de yuans (R$ 5,8 milhões). Estes valores não incluem bônus e premiações.

Além disso, os clubes terão de operar em um orçamento máximo de 1,1 bilhão de yuans, com salários ocupando no máximo 60% deste valor.

Os elencos poderão contar com até cinco jogadores estrangeiros, com apenas quatro em campo ao mesmo tempo.

O futebol chinês viveu uma reviravolta a partir de 2013, com a chegada de Xi Jinping à presidência do país. Grandes investimentos foram feitos nos clubes, que passaram a pagar alguns dos maiores salários do futebol mundial.

No entanto, a chegada de jogadores estrangeiros pouco impactou no desenvolvimento dos chineses, e a seleção continua com dificuldades no cenário internacional, ausente de Copas do Mundo desde 2002. Recentemente o técnico Marcello Lippi deixou o comando da equipe nacional.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.