Comoção por Sampaoli mostra que o jogo ainda importa

Ivan Storti / Santos FC

Ivan Storti / Santos FC

Durante a cerimônia de entrega do prêmio Bola de Prata, o zagueiro Lucas Veríssimo fez um apelo ao técnico Jorge Sampaoli por sua permanência no Santos. Disse que aprendeu com o argentino e gostaria de continuar aprendendo.

Um grupo de crianças que ficou conhecido como “Meninos da Árvore” dá plantão perto da residência de Sampaoli para tentar sensibilizá-lo. Os garotos estabeleceram com ele uma bonita relação de amizade e respeito.

As diferenças entre o cenário financeiro do Santos e a ambição do treinador podem separar os caminhos a qualquer momento. Parece o cenário mais provável.

Mas a comoção por um técnico que não tem troféus a apresentar no fim de sua primeira temporada no país mostra a importância que ainda se dá, e deve se dar, ao jogo de futebol. Ao jogo que te faz ligar a televisão, te faz sair de casa para o estádio, te permite sonhar com algo grande.

Não que o resultado tenha sido ruim, apesar do desempenho decepcionante nas copas. Os 74 pontos do Santos são a melhor campanha de um vice-campeão no Brasileirão de 20 clubes, e em determinados anos seria até suficiente para a taça.

Mas no país do “ganhou o quê?”, é bonito ver que ainda faz diferença a escolha do caminho para as vitórias.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.