Já são quase dez anos de Neymar

Reprodução Twitter

Reprodução Twitter

E já são quase dez anos de Neymar na seleção brasileira. São quase dez anos do primeiro título estadual dele e também da Copa do Brasil de 2010. Um ano depois, e já tido por boa parte do mundo do futebol como um craque, Neymar levantou a Libertadores e começou a se mostrar imprescindível.

Ficamos vendo à distância ou nem tão distante assim. O que era feito em campo ganhava muito espaço e o que era feito fora de campo também.

Já são quase dez anos! Muitos ainda acham que ele é produto do mundo empresarial, dos likes, cliques e seguidores. Neymar, quer queiramos ou não, é um dos principais artilheiros da história da seleção brasileira e continua sendo campeão ano após ano.

Se a tal maturidade, compreensivamente esperada para alguém de 27 anos, não dá tantos sinais assim de existência fora de campo, é em campo que ele pode ser menos individualista e mais coletivo. No PSG, também quer queiramos ou não, ele é a bola de segurança quando a coisa fica feia. E por lá, normalmente ele é o melhor jogador.

No Barcelona, vale a pena lembrar, Messi fez questão de falar que gostaria de tê-lo de volta. Se ele é o que é para seus clubes e para a seleção, por quais motivos ele não consegue dar passos mais largos rumo ao topo? Será que atingiu o seu ápice? Não creio. E mesmo se já atingiu, é possível, e até mesmo desejável, que o técnico da seleção brasileira consiga extrair dele mais colaboração na parte tática, maior apreço pela parte coletiva.

A questão que parece afligir boa parte da imprensa é se ele vai um dia se mostrar tão focado no trabalho como Messi é e como Cristiano Ronaldo também é. Será que ele pensa assim?

Nos quase dez anos de auge de Neymar, o que ele é para você?

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Comentários