Muito além de Jesus e Gallardo

Reprodução Twitter

Reprodução Twitter

O Flamengo pode até não vencer a Libertadores, mas o torcedor já percebeu que não faltam motivos para comemorar.

É claro que se o River for campeão, o sábado tende a ser de algumas queixas e decepções, mas está na cara que a estrutura e a mentalidade vão acabar colocando o time carioca outras vezes na mesma situação.

O Flamengo se organizou novamente. É sabido que a grana da televisão ajuda muito, mas o buraco era gigante e os valores recebidos pela empresa já eram os maiores. É preciso saber reconhecer que a volta por cima foi dada.

Limpar a casa envolveu deixar de ser competitivo por um bom tempo. Entretanto, envolveu também ser mais criativo na captação de recursos. O torcedor do Flamengo se sentiu mais parte da instituição.

Do outro lado está um clube que também entendeu que precisava sair do lado mais intuitivo para o técnico. O River desligou o aleatório. Apostou em profissionalizar os departamentos do clube e se reencontrou com as conquistas. O River de hoje é perigoso, inspirador e sustentável.

Em campo estará um time muito bom a bola nos pés e bastante intenso nas movimentações e trocas de posição. O Flamengo de Jorge Jesus é o time mais intenso do Brasil. O River de Gallardo consegue se adaptar. É bom com a bola e bom deixando a bola com o adversário.

Não dá para deixar de lado os aspectos que envolvem uma semifinal entre River e Boca, mas a tendência é que o jogo final seja bastante diferente. Contra o Boca, o River sabia que poderia deixar espaços para a troca de passes. Aquele Boca era um time de lançamentos e pouco envolvimento do adversário. A preparação é totalmente diferente e o River sabe disso.

A possível aposta em uma linha com três defensores faz sentido. O espaço que Everton Ribeiro e Arrascaeta atacam poderia ficar melhor protegido. No entanto, faz também sentido ter um jogador a mais no meio – mais distante da área.

Um ponto importante a ser observado é o tal jogo único. Final em dois jogos ainda permite alguma especulação. Jogo único é jogo de erro mínimo e acerto máximo. Concentração total e estratégia. A final da Libertadores reúne os dois melhores e hoje dá até para dizer que o momento do Flamengo é melhor.

O que o torcedor do Flamengo já percebeu é que com as contas em dia e com a agressividade da diretoria o Flamengo vai estar outras vezes em grandes finais.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Categorias:
Futebol Nacional

All Comments