O que representa o nome de Fábio Carille no mercado – por Mário Marra

Reprodução do Instagram / Fábio Carille

Reprodução do Instagram / Fábio Carille

É perfeitamente normal que o telefone do técnico Fábio Carille esteja tocando. Apesar de ter menos de três anos como treinador profissional, Carille já levantou quatro taças e não tem como negar que, mesmo com tão pouco tempo de técnico, ele fez por merecer a atenção do mercado.

As redes sociais ficaram agitadas e não foram poucas as pessoas que imediatamente fizeram a relação da demissão do treinador do Corinthians com o cargo de técnico do Atlético para a próxima temporada. Vale lembrar que é sabido que já houve um flerte no passado. O que representa ter Carille como treinador?

O fato de ser campeão três vezes seguidas do Paulista e de ter sido campeão brasileiro em 2017 não garantem a Carille a imunidade. Ele erra e errou. Quando perguntado sobre a principal característica de seu trabalho, o treinador sempre disse que a marca que ele desejava ver de seus times era a organização. E repetia que o time podia até não ser brilhante, mas seria bem acertado em campo.

Carille representou no Corinthians a sequência de uma ideia plantada por Mano Menezes e regada por Tite. A semente proporcionou títulos e não foram poucos. O jogador chegava e rapidamente entendia o que era para ser feito e o que não podia ser feito de forma alguma. Sim, os times dele foram organizados e muitas vezes pouco brilhantes. A predominância era de ideia defensiva forte.

A atual temporada não foi boa. É verdade que o título Paulista foi conquistado, mas até mesmo o padrão defensivo não teve o mesmo êxito e as cobranças para que o time fosse melhor no campo de ataque eram totalmente pertinentes. A relação com os jogadores também azedou. Não foram duas ou três vezes que as entrevistas dele não foram bem aceitas pelo grupo de jogadores e o vestiário já não era um ambiente tão agradável assim.

O desejo de um time ofensivo, irresistível, de tirar o fôlego não bate com todo o trabalho realizado por Fábio Carille até hoje. Ele nunca prometeu isso e nunca conseguiu entregar. Ele pode conseguir um dia, mas acho difícil que de uma hora para a outra as coisas mudem.

Para pensar em um outro técnico para o próximo ano é preciso primeiro ter garantida a permanência primeira divisão. Carille, de fato, poderia evitar os clarões que a marcação do Galo tem apresentado. Entretanto, é o Atlético que precisa definir o que quer. Vagner Mancini vai permanecer? Vai iniciar a temporada? Se a direção optar por Fábio Carille e não bancar suas ideias, certamente ele será apenas mais um demitido após uma sequência de derrotas. Se for por ele, é preciso entender e respeitar as características de trabalho que sempre foram mostradas.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.